quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Sobre o Natal

A árvore de natal sempre me despertou um certo fascínio. As luzes refletidas em enfeites dourados combinados com laços em fitas vermelhas e douradas, renas, bonecos de neve, papai noel, trenó, guirlanda, velas, presépio, o som dos sinos. Tudo isso, sempre me inspirou o famoso espírito natalino, e nessa época era sempre bom ver como as pessoas se sentem diferentes quando chega essa época do ano: vontade de ajudar uns aos outros, de se tornar uma pessoa melhor, de pensar nas resoluções para o ano que vem...

Mas de uns anos pra cá alguma coisa mudou. Como se a luz da minha árvore de natal tivesse queimado e deixado de me mostrar todas essas coisas que eu via antes. A verdade é que parece que outra luz é que passou a se acender e a me mostrar coisas além das que eu via. Minha confusão com relação a minha própria religiosidade tem me feito pensar sobre o Natal e sobre o comportamento das pessoas na época do Natal. É triste ver que o espírito natalino em muitos casos não é outra coisa senão hipocrisia.

A midia nos afoga com propagandas cheias de musiquinhas bonitinhas, emocionantes, até. Mas o que fazem no Natal não é nada além do que fazem sempre: oferecer seus produtos. Tudo bem, talvez essa minha posição pareça amarga, com um quê de desilusão. Talvez eu esteja me tornando uma pessoa chata. Mas a verdade é que eu não me sinto mais tão encantada com o Natal. Principalmente pelo fato de que enquanto em muitos lugares o clima é de festa, de união, de fartura, tem outro lado na história, tem gente que não sabe o que é o Natal ou que não tem o mesmo tipo de Natal que a televisão tenta nos mostrar...

Com isso, de um lado tem a atuação da televisão com imagens de um Natal ideal e do outro lado tem a questão religiosa. E eu fico no meio disso, pensando até que ponto estamos vivendo em função da tradição cristã de que o Natal é um momento de união no aniversário do nascimento de Jesus e onde começa a ser apenas o cumprimento de um protocolo, de um simples costume, que ninguém lembra direito qual o sentido disso (e aí entra o comércio/consumo desenfreados...).

Quantas crianças ainda escrevem carta para o Papai Noel? Muitas às vezes nem pedem brinquedos, pedem emprego para os pais, um lugar para morar, comida na mesa... Quantas crianças têm seu pedido atendido? Algumas dessas crianças talvez nunca tenham acreditado de verdade no Papai Noel, mas sempre acreditaram haver algum Papai (Noel ou do Céu ou da Silva, que fosse) que pudesse ajudar...

Tem uma música dos Smashing Pumpkins que faz pensar sobre isso... há uma certa ironia na letra e uma das frases da música diz: "Haverá brinquedos para todos", haverá mesmo?

Termino dizendo que eu não duvido da existência de Deus (é importante que se diga). Minha família é católica e certamente estaremos em casa à 0h00 do dia 25/12. Mas para mim será mais um Natal que passarei pensando e pensando sobre tudo que a acabei de escrever e sobre muitas coisas que se desenrolam a partir dessas.

Aqui vai o clipe "special edition" (por sinal muito engraçadinho =D) da música Christmastime dos Smashing Pumpkins. O link com a letra e tradução é este aqui: http://letras.terra.com.br/smashing-pumpkins/452546/ (O post ia ficar muito grande se eu colocasse a letra aqui...rs)

14 comentários:

  1. eu gosto muito do natal. mas gosto muito do que minha mãe faz no natal para gente. é a festa 'família'. nós sempre fomos encantados pelas luzes, pelos enfeites e por todo o resto. sendo ultra mística, minha mãe não nos deixa esquecer sobre o q o natal significa - muito mais do que o aniversário de jesus. mas abrindo os olhos na rua...a época do natal tb é bem triste. as músicas q se referem ao natal me dão um nó na garganta. inevitavelmente, lembro dos obscuros anos que a minha família tb já passou.
    sinto uma culpa ao comparar o meu natal com o dos outros. e um puta desprezo ao consumismo desenfreado.

    é uma época boa para refletir. boa para repensar, refazer...recomeçar, mesmo. sem ser muito piegas.

    gostei do revolt mode. ahhaha
    tendo a ficar assim tb no final do ano.

    um beijão

    ResponderExcluir
  2. E além disso tudo que vc colocou de forma magistral... ainda existe o tumulto de dezembro que nos deixa estressados e acabados...
    UFH

    ResponderExcluir
  3. Cara, de uma certa forma o Natal já me deu no saco tbm. Por várias questões, religiosas (pq nem religião eu tenho na verdade), a hipocrisia das pessoas... me deprime. Aquele consumo de presentes e sei lá mais o que, realmente acredito que tenha gente que já se esqueceu do significa a data.

    Gostei do seu post "RBD" e soy reblede ;) heheheee...
    Bjs!!!

    ResponderExcluir
  4. Não, Paula, vc não está ficando chata, está sim abrindo os olhos, perdendo a ingenuidade. Eu odeio o Natal, apesar de morar na cidade de Natal..rs.. Essa data é o dia oficial da falsidade, hipocrisia, artificialismo e pieguice, mas uma pieguice falsa e hipócrita, o que é ainda pior.

    ResponderExcluir
  5. pois....... acho que , dependendo da situação, o Natal pode ser uma coisa legal... principalmente se vc está num local cheio de crianças.... mas, pra mim, que não tenho crianças por perto, fica somente um gostinho meio amargo de fim de ano.... e começar tudo de novo!

    ResponderExcluir
  6. A mídia manipula o que puder para fazer dinheiro. Cabea nós manter os valores reais das coisas vivos.
    O Natal é uma época linda, não deixe que perca seu brilho. Compre gorrinhos, bolas coloridas e deixe-se enfeitar.
    beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Ótimo seu txto, menina!! Nunca fui fã de Natal, não sei, ele não significava muito pra mim. Era sempre as mesmas coisas e o tal nascimento de Cristo nunca estava realmente em destaque. Acho que foi uma desculpa que inventaram pras bebedeiras em família. Pode até ser legal uma super-família reunida, mas nascimento de Cristo, não é o Natal mais que representa isso. Beijo.

    ResponderExcluir
  8. A-há, vc tem um blog de novo e nem me avisou?
    Eu tive que descobrir sozinha, mas tudo bem.
    Tá legal seu blog novo, espero que esse dure mais tempo!
    Sobre o Natal, eu só sentia o espírito dele quando era criança. E nunca senti o verdadeiro espírito do Natal porque eu nunca fui católica praticante. Mas antes dava um sentimento de alegria, emoção, etc. Agora, não sinto nada também.

    Pra ser sincera, fico empolgada basicamente por causa da ceia, rsrsrs. Adoro todas aquelas comidas gostosas e me estrebuchar de comer!

    Ah, quanto ao livro, te empresto sim!
    Inté

    ResponderExcluir
  9. Realmente quando crescemos percebemos que o Natal é nada mais nada menos do quem um pretexto para podermos fazer sexo com parentes de 1° grau sem sentimento de culpa.

    ResponderExcluir
  10. Deixei de ser fã de natal há tempos... Ainda bem que eu não tenho esses dilemas religiosos pra resolver comigo mesmo, senão as coisas seriam bem piores.
    Acho que essa contestação é natural em relação ao clima de natal vem com o tempo mesmo. Deve ser coisa da idade... Relax and enjoy!

    ResponderExcluir
  11. Olá, Paula, coincidentemente, escreví sobre isso, natal, em meu blog hoje também...
    Acho que nossos pensamentos, vão de encontro.

    Abraço.
    Richard.

    ResponderExcluir
  12. eu acredito nas mesmas coisas em relação ao natal, como vc mesmo disse eh o consumismo, a mídia, e nao o sentido do dia, é só lembrar que de periodos e periodos, temos alguma coisa para gastar, carnaval, pascoa etc.. , sa epocas sazionais..

    ah ah respeito do seu coment, e marina, eh q nao prestei atenção qndo escrevi.

    ResponderExcluir
  13. Po, natal virou consumismo nos ultimos anos, o capitalismo selvagem acabou com a noçao de natal verdadeiro
    "/
    Bom blog, adorei!
    ^^

    ResponderExcluir

Atire por esta janela suas impressões sobre este post. Sinta-se à vontade para defenestrar o que quiser: elogio, reclamação, dúvida, angústia, sugestão...
Só não vale usar de má educação. O respeito deve vir em primeiro lugar!